terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Ah essa paixão!




   Um  dos maiores prazeres da vida é viver uma nova paixão. Principalmente quando você já andava meio que desacreditado nas coisas do coração.
Ah que coisa boa viver uma paixão avassaladora, que nos dá ânimo, nos tira do plumo, revira nossos pensamentos e faz a vida ser bem mais interessante.


   Posso esquecer da primeira vez que andei de bicicleta ou do primeiro filme que vi no cinema, mas nunca esquecerei da minha primeira paixão.
Sentimentos confusos pairando em minha mente; Sensações nunca antes experimentadas.


   Assim como tudo na vida a paixão tem suas delícias e seus desprazeres. É ótimo acordar feliz sabendo que tenho alguém que não sai da minha mente; É maravilhoso vê-lo e o mundo inteiro parar naquele segundo. Só quem já se apaixonou alguma vez sabe o turbilhão de sentimentos e sensações que temos quando vemos aquele a quem devotamos tamanho apreço.
Mas a mesma paixão que nos deixa vendo "passarinhos verdes" é a mesma que nos deixa inseguros, bobos e dependentes.


   Devido tudo isso algumas pessoas não sabem lidar com a paixão e preferem nem vivê-la, odeiam estar apaixonadas.
A cantora Preta Gil já assumiu certa vez que odeia quando se apaixona, visto que a paixão a deixa boba, e ela fica dependente do outro ser, não conseguindo ser feliz longe dele.
Também tenho um amigo assim. Um amigo que é bem melhor quando está solteiro e com o coração livre e vazio.
Ele se apaixona, ele se envolve, ele sofre!
O foco da vida dele se torna a pessoa, ele respira a pessoa, transpira a pessoa....E quando a pessoa não pode estar com ele, ele morre!

   Amo está apaixonado e estou neste exato momento. Sinto tudo o que falei aqui. Sinto todos os turbilhões e sensações. Também me vejo dependente e bobo. Mas diferente do meu amigo, eu não deixo isso me dominar, não deixo que um dos maiores prazeres da minha vida se torne um dos maiores tormentos.
E assim ando de mãos dadas com a paixão sorrindo para o rosto dela e esperando o dia em que ela será apenas uma doce lembrança quando o amor chegar!!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Sem Química!!


Ele é o namorado mais bonito que já tive; Loiro de olhos azuis. É inteligente, educado, boa pessoa, faz de tudo para me agradar o tempo inteiro e todos os meus amigos o amam.
E quando ele me toca...Nada! Quando ele me beija...Nada! Quando ele chega...Nada! Quando ele se vai...Nada!

A lembrança do za za zu ainda é forte em minha mente. Ainda consigo lembrar quando um ex namorado chegava e meu mundo ficava azul, a paz transbordava, meus olhos brilhavam. Era amor!
E lembro também quando um outro ex chegava e minhas pernas tremiam, meu coração acelerava. Era paixão!

Neste caso não é amor, não é paixão, não é nada!
Eu não gosto de suas atitudes, não gosto do seu jeito de falar e de vestir.
Tudo o que ele faz me incomoda, me irrita. Não tem cara de inicio de namoro, tem cara de fim de namoro de anos onde os dois já não se suportam mais.

Que vontade de sentir saudades antes de ter dito tchau; De publicar coisinhas apaixonadas no facebook; De ficar nervoso ao ver a foto dele aparecer no visor do meu celular quando ele ligar... Falta tesão, falta desejo, falta tanta coisa.

Ao confessar isso a um amigo ele me perguntou porque eu continuava a namorar mesmo assim. Minha resposta foi: Não sei!
Medo da solidão? Medo de está perdendo um bom partido? Ou a esperança de que um dia tudo possa mudar? Talvez tudo isso junto!

O fato é que mesmo eu não estando apaixonado faz bem para o meu ego leonino ser namorado de um cara tão lindo e tão encantador para todos (menos para mim).
É bom desfilar com ele pelas ruas como um troféu e a idéia de que eu posso e ele é meu!
Confesso que também é uma forma de vingancinha com o meu ex que me abandonou. Me sinto vingado por saber que estou namorando alguém bem mais bonito e bem mais interessante aos olhos de todos. E o que é pior em pouquíssimo tempo.

Química não é algo fácil e acessível. É quase como a fé. Todos nós sabemos o que é ter fé, mas poucos tem. Visto que ter fé é ter 100% certeza de algo, e isso não é fácil. A dúvida sempre acaba pairando em nossas mentes.
Assim é a química que precisa muito mais do que toque e sexo. Podemos ter um sexo maravilhoso com uma pessoa, mas não termos muito em comum com ela. Podemos ter uma ótima sintonia social com alguém mas não ter química de pele e por aí vai.... O importante é não desistirmos de procurar por aquele que mais nos completa!




sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Coração ou razão?

Muitas vezes quando estamos sofrendo por amor e pedimos a ajuda de algum amigo, ouvimos a seguinte frase: Siga seu coração!
Mas será que seguir o coração é sempre o melhor caminho a tomar? E o que fazer quando o coração bate de frente com a razão?

A vida as vezes nos prega peças que nos colocam em uma encruzilhada da qual uma atitude deve ser tomada.
O coração nos manda seguir o caminho do amor. E a razão nos manda seguir o caminho da lógica.
Não poderia amor e lógica andarem juntos?

Não é fácil seguir o caminho do coração que em muitas vezes pode nos fazer sofrer. Do mesmo jeito que não é fácil seguir o seguro, porem morno caminho da razão.
Queremos a segurança e amor andando juntos. Mas será que isso não é pedir muito da vida?

O fato é que a vida por muitas vezes já me deixou nesta situação. E por mais que no momento eu tenha hesitado em seguir o coração, sempre foi ele que acabou falando mais alto. Em alguns momentos me arrependi e em outros não.
Mas no fundo senti orgulho de mim por ter dado voz ao Paulo sentimental e emotivo que existe em mim.

E como algumas historias se repetem cá estou eu novamente na duvida se escuto meu coração que me pede pra voltar pra aquele que ainda amo ou a razão que me diz que o melhor mesmo é ser solteiro e ter um tempo pra mim.
Meu coração cansado de se ferir por meninos branquinhos e novinhos teme a volta. A minha razão diz que ele tem todos os motivos pra temer. Mas esse coração bobo mesmo temendo ainda quer arriscar.

Os amigos aconselham a seguir em frente, e quem sabe até me entregar para uma outra pessoa. Mas como me entregar para alguém se meu coração pertence a outro?





sábado, 27 de agosto de 2011

Para cada fim um recomeço...


Nas estradas da vida são muitas as vezes que vamos nos deparar com momentos tristes, perturbadores e sofríveis. Mas nunca devemos desacreditar que algo bom nos espera (talvez na próxima esquina).
Pense bem, quantas vezes você já se pegou sofrendo por algo que depois de um tempo não tinha mais importância nenhuma para você?
É como diz Jorge Vercilo: "Hoje tudo faz sentido, e ainda há tanto a aprender!".

A vida é assim. As vezes vivemos coisas que nos deixam tristes e abatidos, mas na verdade estamos sendo preparados talvez para algo melhor e maior.
Lembro que sofri muito quando um ex namorado terminou comigo, sem saber que logo depois iria conhecer um outro alguém que me completava mais e me fazia mais feliz!
Esse outro alguém acabou me magoando com o tempo, mas foi através dessa magoa que conheci um outro ser humano maravilhoso, e que por um certo tempo me mostrou meu valor.
No fim de tudo, ele mostra que na verdade eu não tinha tanto valor assim para ele, mas eu sei que tenho valor para mim! E que deve existir alguém por aí, em algum lugar louco para descobrir o valor que ele não viu.

Se existe algo que aprendi com a vida, é que realmente para cada fim existe um recomeço. Não devemos nunca desacreditar que o amanhã existe com possibilidades maravilhosas.
É a fé de que tudo vai dá certo que nos mantém fortes, erguidos, em pé!

Ao longo da vida perdemos tantas coisas...Pessoas que amamos.... Pessoas vão embora, falecem, simplesmente somem de nossas vidas.
Mas novas pessoas surgem e nos trazem alegria. E o tempo cuida de nos acalentar.
Se sou forte por ter superado a morte de minha mãe, porque não supero o fim de um namoro? Somos capazes e precisamos acreditar nisso!
O caminho fica mais leve quando caminhamos com esperanças de um futuro melhor!

domingo, 17 de julho de 2011

E o amor se perdeu...


Diferente das outras relações, como as de amizade e parentesco, o namoro é algo que precisa ser alimentado todos os dias para não se perder no caminho.
Podemos ficar meses sem ver um grande amigo, mas quando o reencontramos temos a sensação de te-lo visto ontem, justamente porque amizades verdadeiras são construídas em bases sólidas.
O que é totalmente diferente da relação amorosa, que é frágil e pode se quebrar a qualquer momento.
Um namoro nem sempre resiste a distância, ao pouco contato, a falta de atenção.

Como eu já disse antes, é necessário uma dedicação diária para que um relacionamento flua. Telefonemas para matar a saudade; Torpedos que nem sempre dizem muito, mas que dizem: "Ei estou aqui e lembrando de você!".
Tudo isso serve para fazer com que o namoro não se perca no caminho.

Meu ultimo namorado não tinha muito tempo para mim. Trabalhava de manhã e estudava a tarde e a noite. Só nos víamos nos fins de semana. E o que é pior, passávamos uma semana inteira sem manter contato nenhum.
Nenhum telefonema, nenhuma mensagem, nenhum sinal de fumaça.
Nem preciso dizer que a relação acabou né?
As vezes estamos namorando pessoas que não estão namorando a gente.
Quando percebi que estava namorando sozinho, vi que era a hora de namorar alguém que nunca me decepcionaria e jamais me faria sofrer. Alguém chamado Paulo Albuquerque!!!

As vezes começamos uma relação acreditando muito e apostando todas as fichas. O que muitas vezes gera frustração, por culpa de uma das partes ou de ambos.
O fracasso de um relacionamento se deve há muitos fatores. Falta de atenção, dedicação, respeito, companheirismo, dialogo, vontade de fazer a coisa dá certo e etc e tal.
A pergunta é: Se sabemos tudo o que faz com que a relação se perca pelo caminho, por que fazemos assim mesmo?

sábado, 16 de julho de 2011

Só amar não basta


Será que o amor verdadeiro tudo suporta? Tudo aguenta? Tudo supera?
E se não for desse jeito não é amor?
Eu acredito que mesmo amando muito o parceiro nunca devemos esquecer de nos amar primeiro. É impossível amar alguém se você não tem amor próprio.
Então por mais que ame aquele que está ao meu lado, eu o abandono se através dele eu tiver mais sofrimentos do que felicidade.

Já terminei relacionamentos mesmo ainda existindo o amor. Se me arrependi? Não.
Hoje mais do que nunca sei que nunca teria dado certo. Porque como já diz o titulo do texto: Só amar não basta!
São necessárias muitas coisas para que uma relação flua bem: Atenção, dedicação, respeito, amizade, cumplicidade....
Não adianta um casal se amar, se briga o tempo todo, se não se respeita, se não se entende nunca, se tem mais problemas que alegrias....
Sendo assim não seria melhor cada um seguir seu rumo diferente e quem sabe encontrar um outro amor que traga paz?
E o amor que foi deixado para trás um dia será apenas uma doce ternura, ou muitas vezes nem isso.
Eu prefiro a possível felicidade separados do que a tristeza com pequenos momentos felizes juntos.

Um namorado já terminou comigo mesmo me amando. Nós começamos a namorar quando ele era ainda muito novo, e chegamos a um ponto que ele começou a sentir a necessidade de viver coisas novas, viajar, baladas, sair sem dar satisfação para ninguém...Um monte de coisas da qual eu não me incluia. E assim ele me deixou mesmo me amando para ter a vida que agora ele ama ter.
Se o condeno? Imagina! Teria feito o mesmo.

Andando pela cidade encontrei um conhecido que me dizia ter voltado para seu ex, mas que as coisas agora não eram mais como antes. Disse que eles brigavam por tudo, que o parceiro preferia ficar na presença de outras pessoas do que na dele. Disse que ambos tinham visão de mundo completamente diferentes, e idéias e conceitos opostos.
A pergunta é: Por que voltaram? Ah ta, por amor.
Que amor é esse que os faz tão infelizes? Será que vale a pena?


sexta-feira, 8 de julho de 2011

Gays que são loucos pelo flerte


Que atire a primeira pluma a bicha que não gosta de flertar com um boy escândalo na rua, ou se sentir desejada quando passa.
Até aí tudo bem. O problema é quando o flerte existe mesmo você sendo comprometido. Aí se torna prejudicial a saúde.
Por mais que seja um flerte sutil, com uma simples troca de olhares ou um sorrisinho, tenho certeza que seu namorado não gostaria nada nada de saber que isso acontece na ausência dele.
Por tanto por mais que você seja amante do flerte, é de bom tom se controlar e pensar como a Emily: "Eu amo meu namorado, eu amo meu namorado, eu amo meu namorado!!!"

Muita gente acha que o flerte em si não é traição, visto que nada de concreto acontece. Mas não seria o caminho para tal coisa?
Tenho um amigo que recentemente conversando comigo disse que ama o flerte, ama se sentir desejado, e que mesmo tendo namorado e amando o carinha ele não consegue deixar de olhar para um cara bonito na rua, de encarar um gostosinho no ônibus, e nem de dar margens para aquelas pessoas que dão em cima dele nas redes sociais. Mesmo estando gritando lá: NAMORANDO OU RELACIONAMENTO SÉRIO!
Meu amigo diz que precisa disso, precisa do flerte para se sentir o cara! Tanto é que chegou ao ponto de trocar telefone com um carinha na presença do namorado, enquanto o mesmo se descuidava.
Ele só ainda não entendeu, que o mesmo flerte que faz bem para o seu ego, pode fazer muito mal para a sua relação.

Meu amigo disse que quando ele estava solteiro os homens nem o percebiam, mas depois que ele começou a namorar veio surgindo homens de todos os lugares da terra. PLEONASMO!
Mas enfim, já percebi mesmo que quando estamos namorando parece que as pessoas começam a nos notar mais ainda, a nos perceber e nos desejar.
Um "relacionamento sério" no face ou "namorando" no orkut em nada intimida estas pessoas que parecem gostar do perigo e do desafio, e quererem aqueles que já te "dono".

Um outro amigo também tem uma atitude bem curiosa em relação ao flerte. Ele simplesmente ama frertar com os caras na rua. Adora quando os caras olham para ele e trocam olhares. Chega muitas vezes a trocar telefone ou receber convites para irem para um lugar mais calmo, se é que me entendem. Mas por incrível que pareça (e sem borboletinhas nenhuma na cabeça) meu amigo na maioria das vezes diz não.
Curioso que ele ama o flerte, ama a troca de olhares e tals, mas na hora de ir para o "ataque" ele recua. Sabe por que? Porque deixa de ser flerte, sai das entrelinhas e vai para o real, o que não o agrada. Ele ama apenas o flerte e ponto!

O flerte é delicioso e todos nós sabemos disso, mas se estiver namorando evite-o! Caso contrário terá mais tempo para flertar, SOZINHO!!!
Como eu sempre digo: "A vida é feita de escolhas!". Você pode ter vários flertes todos os dias, e uma cama vazia no fim de semana. Ou pode escolher ter carinho, amor e atenção e nada de flerte.
Tem que aprender a ver o belo na rua como um lindo quadro. Você olha e admira, mas não deseja!

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Solteiro e feliz!


"Eu não sou de ninguém, eu sou de todo mundo. E todo mundo é meu também!"

As pessoas possuem a ideia de que quem não tem namorado, não é feliz.
Quem nunca ouviu alguém dizendo?: "Ah fulano está bem, está namorando". Como se namorar fosse sinal de felicidade, e o contrário de tristeza. E todos nós sabemos que não é bem assim.

Todos que me conhecem sabem que sou um cara que nasci para namorar e não sei viver sozinho. Preciso de um namorado! Mas tenho a cosciência que existem pessoas que simplesmente não precisam disso, e preferem ser "um" do que ser um "casal".
Eu defendo e sempre defendi a vida a dois, mas sem menosprezar as pessoas que são solteiras por opção.
Até já falei aqui no blog sobre os prazeres de se ter um namorado. Mas nunca falei nada, nada mesmo sobre como também é bom ser solteiro.
Confesso que não é muito meu departamento e não entendo muito bem do que é ser um cara solteiro, visto que emendo um namoro no outro há uma década. Mas como adoro um desafio, vamos lá!

Quando fazia o curso de Direito, uma das coisas que eu meus amigos mais gostávamos, éramos de pegar casos que não acreditávamos e tentar defende-los. Valia pelo prazer do poder de persuasão e pelo desafio em si.
E é assim que me sinto neste momento, defendendo algo que até acredito, mas que não serve para mim.

Por mais que ame a vida de namorado, sei que ser solteiro também tem seu valor. Pude constatar isso nos míseros meses que fiquei solteiro, entre um namoro e outro.
Sem falar da infância, quando nem sonhava em namorar e a vida parecia tão gostosa e leve.
No tempo que fiquei solteiro pude dedicar mais tempo para mim e para meus amigos. Me diverti bastante saindo para lugares nunca ido antes. E para aqueles que já tinha ido antes com namorado, pude ver agora por um outro ângulo.

Lembro de uma época que estava quase casado e conversava com um amigo solteiro a respeito de relacionamentos. Ele dizia que queria muito ter um namorado, alguém a quem se dedicar e etc e tals. E eu dizia que só queria ter a liberdade dele de fazer da minha vida o que bem entendesse.
Nossa, como eu o invejava sabendo que ele poderia fazer do seu final de semana o que quisesse, quanto que eu precisava pensar como um casal e agir como tal.
Que inveja dele que dormia as tardes, visitava os amigos, pegava uma sauna, ou simplesmente ficava em casa vendo seus dvds chatos que ninguém gosta, só ele!
Caraca, eu queria tudo isso para mim! Mas como tinha namorado, tinha que ficar com ele todas as tardes e bolar programas de casal. Aff!
E sabe o que é mais curioso? É que quando essa relação terminou, eu daria tudo para ter de novo as minhas tardes e meus finais de semana preenchidos com o meu namorado chiclete. É como diz a Carrie Bradshaw:" Necessidades são coisas curiosas, depois que a gente as satisfaz, não precisamos mais delas!"

O fato é que mesmo meu pensamento de casal falando mais alto, existe o prazer sim em ser solteiro. Imagine como deve ser bom ficar com quantos caras quiser, mais de dois ou três numa unica noite. Sexo sem compromisso, corpos novos repletos de desejo, não ter com quem se preocupar, não se preocupar se está sendo traido ou se o namorado está mentindo.
Ser solteiro é nunca ter dor de cabeça com mentiras e atrasos de namorado; É poder fazer da sua vida o que você desejar, sem ter que pedir permissão para alguém; É o sexo novo que está virando a esquina; É ter mil possibilidades, É simplesmente TER O PODER!!

terça-feira, 24 de maio de 2011

Somos de mundos diferentes


Se He-man e Lion fossem gays será que eles poderiam ser namorados? He-man vive em Etérnia e Lion é de Thundera. Ambos pertencem literalmente a mundos diferentes, mas são parecidos por serem heróis e lutarem pelo bem. Então são tão diferentes assim?

Referencias oitentistas a parte, será que é possível que pessoas muito diferentes possam viver uma relação madura e feliz? Ou será que o diferente atrapalha o namoro e faz com que o mesmo não vingue? E quem sabe se analisarmos mais de perto não percebemos alguma semelhança por mais diferente que pareça?

Eu sempre fui do conceito de que os diferentes se repelem. Sempre me senti atraído por pessoas mais ou menos parecidas comigo. De classe social parecida, religião, gostos, conceitos de vida, pensamentos...
Mas o que fazer quando a vida te prega uma peça e você se apaixona por alguém que parece em nada ter a ver com você?
Será que essa relação tem futuro? Será que devemos arriscar mesmo assim? Será que o diferente sendo visto por um outro ângulo pode até se tornar um atrativo?

O fato é, que em muitos casos fica quase que impossível de se conviver com as grandes diferenças do parceiro.
Eu por exemplo amo ler e adoro cinema, como conseguiria namorar alguém que dorme durante um filme e nem sabe quem é Oscar Wilde ou Dan Brown?
Amo MPB e musicas internacionais romanticas, então será que conseguiria conviver com uma pessoa que tem como estilo musical tecnobrega e calypso?
Sou caseiro e um dos meus programas favoritos é ficar em casa vendo um dvd. Mas para muitos isso é "programa de índio", pois diversão mesmo para eles é cair na balada no sabado a noite. Poderia então deslumbrar um romance com esse tipo de gente?
O que pesa mais, as diferenças ou amor que une o casal?
Alguém já disse certa vez que só amar não basta. Não seria esse o motivo de muitos casais terminarem mesmo se amando?
Quantas vezes já vimos casais que sabemos que gostam um do outro, mas simplesmente não funcionam no dia a dia?
As brigas são constantes e as diferenças se acentuam cada vez mais.

Tenho um amigo que é casado com um cara que tem os mesmos gostos dele, o mesmo estilo musical, o mesmo conceito de lazer e a mesma maneira de ver o mundo. Mas tanta semelhança não impede que eles briguem toda a semana.
Então seria a semelhança a "formula do amor"?

Meu atual namorado vem de um mundo diferente do meu. No mundo dele Salinas é opção no verão. No meu mundo, Salinas fica apenas na Zona do Salgado e ponto.
O Rio de Janeiro que ele já conhece bem, eu conheço apenas o que as obras do Maneco mostram.
Ele é da folia, do axé, da Cláudia Leite. E seu grande sonho é um dia passar o carnaval em Salvador.
Eu sou da minha casa, do meu quarto, da minha cama! E meu grande sonho? É sobreviver a tudo isso!
No passado enquanto ele curtia os meachutas da vida, eu curtia os dvds que pegava na Fox.

No dia que nos conhecemos, ele me liga na hora em que eu estava saindo do dentista na Humaitá, e diz que está indo buscar a irmã pequena no colégio que se encontra atrás do Bosque Rodrigues Alves. Percebemos então que estávamos próximos. E eu sugiro ir até o seu encontro, quando ele faz a pergunta: "Você está de carro ou de táxi?"
PÁRA TUDOOOOOOOOO!! Não existe a alternativa C? Que no qual seria o ônibus?
Me senti cheirando patchouli em lugar onde todos cheiravam a Chanel nº 5.

Com tudo isso se faz pensar que não nos damos bem correto? Errado!
Todas essas diferenças em nada atrapalham o nosso namoro.
E por incrível que pareça nunca encontrei alguém com quem meu convívio tenha sido tão bom. Nem com aqueles que eram quase que a minha cópia.
Nós como casal aprendemos a lidar com nossas diferenças. Um acaba se enquadrando na vida do outro para que a relação flua.
Aprendemos a abdicar de coisas em prol do nosso namoro. É claro que não mudamos a nossa essência, mas adaptamos nossas personalidades em função do nosso relacionamento. E assim nossos mundos diferentes ficaram mais próximos. E a tão procurada felicidade foi encontrada!

sábado, 21 de maio de 2011

A dor de não ter dado valor


Quando uma relação termina, geralmente ficamos com a frustração de não ter dado certo, a saudade, a tristeza pelo fim e etc e tal.
Mas quando a relação termina por nossa culpa, por não termos dado valor a quem merecia, a dor é triplicada.
Só quem já passou por isso sabe a imensa dor de querer alguém de volta, e essa pessoa não te querer mais por você não a ter valorizado.
Infelizmente, muitos de nós somos assim. Só queremos dar valor depois que perdemos.
Não percebemos a importância do nosso dedo mindinho até ele ser cortado acidentalmente.
Por que querer cuidar dos dentes só depois que eles estão cariados?
Por que valorizar a mãe só depois que ela já está no cemitério?
Por que perceber que aquela pessoa é o amor da sua vida, só depois de você tê-la feito sofrer bastante ao ponto dela não te querer mais?

O grande erro de muitas pessoas é acreditar que assim que se conquista alguém, não se faz mais necessário manter a "chama acesa". Mero engano!
As pessoas precisam ser conquistadas diariamente. Todos os dias devemos mostrar e provar para aquele que dizemos amar que somos merecedores de estarmos ao lado dele.
Quando você faz alguém se sentir especial, recebe um tratamento especial.
O relacionamento é um espelho, se você der carinho e compreensão, há de se ver rodeado de afeto e amor. Agora se der indiferenças e grosseria, não espere algo diferente.

É até fácil começar uma relação, difícil é manter esta relação. E nem precisamos ir tão longe para constatarmos isso.
Olhe agora ao seu redor e veja quantos dos seus amigos já começaram algum namoro desde quando você os conhece. Tenho certeza que muitos.
Agora quantos deles conseguiram manter a relação por muito tempo?
O numero diminui drasticamente!

Posso dizer que já sofri a perda de uma relação por não ter valorizado a pessoa que eu amava. Que dor imensa que sentia todas as vezes que eu lembrava dos carinhos que recebia, do apoio incondicional, do ombro amigo, do AMOR que não valorizei.
Provavelmente não teria sofrido tanto o fim desta relação se tivesse dado o melhor de mim.
Com certeza ficaria triste pelo fim do namoro, mas não sofreria por ser o causador do fim.
Porque todas as vezes que estivesse triste, lembraria que o melhor de mim foi dado, se não deu certo, paciência! Eu fiz a minha parte, e agora posso partir para outra mais tranquilo, com a certeza do dever cumprido e sem o peso do fim do namoro.

Meu ex namorado está sofrendo por não ter me valorizado. Diz se arrepender de tudo que fez e não fez e me pede chance para mudar.
A dor que ele sente eu conheço bem, mas que tal não fazer nada errado para que não precise pedir desculpas?
Ele diz que eu sou a "vida dele". Ele teve algumas chances de ter a "vida dele" de volta e não valorizou.
Não entendo como tem gente que abre a boca para dizer que aquele que ama é vida dela, se depois de ter a chance de ter sua "vida" de volta não a valoriza.
É como se você transasse com um aidético sem camisinha; É como se você se jogasse na frente do carro em movimento; Ou pulasse do décimo quinto andar do prédio.
De duas uma: Ou você é burro/louco ou você não valoriza sua "vida"!
Alguém aí quer um burro/louco como namorado ou um cara que não te dar valor? Acho que não!

Então meus amigos, se você estiver dentro de uma relação, faça por essa pessoa tudo aquilo que gostaria que ela fizesse por você.
Não diga que ama, se não prova isso. Não adianta falar de amor, se não ajuda a carregar as sacolas do supermercado.
Não adianta chorar a cada termino, se não o trata bem depois que voltam.
Der o melhor de ; Faça surpresas; Deixe bilhetinhos apaixonados; Lembre-se de datas importantes; Cubra-o durante a noite, Mime-o sem medo, Leve café na cama; Acorde com um beijo; Ligue apenas para dar "boa noite"; Compre presentes sem datas especiais; Apareça de surpresa com um chocolate; faça loucuras; Mostre a todo instante que ele tem valor.
Garanto que se no final das contas não der certo, ele será o que sofrerá mais, por lembrar que perdeu alguém que fazia cada minuto valer a pena.
Enquanto você, já estará bem para fazer alguém que realmente te mereça feliz. E ser feliz ao lado dele é claro!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Segunda chance?

Já ouvi dizer que todos merecem uma segunda chance. Mas como dar uma segunda chance para alguém se você não confia mais nesta pessoa?
Um dos meus maiores arrependimentos foi não ter terminado com um ex namorado no exato momento em que passei a não confiar mais nele.
Conviver com alguém que você não confia mais é um martírio.
Então o que deve falar mais alto, o amor pelo outro ou o amor por você?

É bom que fique claro que não estou pregando aqui o não direito a segunda chance. Até acredito que as pessoas podem realmente se arrepender de verdade e não repetir mais os mesmo erros do passado.
Mas acredito também que existem pessoas como eu, que perdoam tudo, mas não esquecem nada!
Por tanto para mim dar uma segunda chance a alguém é falar: Eu perdoou o que você fez, mas nunca vou esquecer!
E como poderia superar algo que sempre estará martelando em minha cabeça?

Será que quando negamos uma segunda chance aquele que amamos e que diz nos amar estamos negando a felicidade? O medo estaria nos impedindo de tentar ser feliz?
É fato que dar uma segunda chance é se arriscar, entrar no caminho escuro que não se sabe aonde vai chegar.
Como é fato também que a vida é feita de riscos, e nunca estaremos imune a eles.
E como poderemos cobrar a perfeição de um outro ser se nem nós mesmos somos perfeitos?
Ah segunda chance....Que difícil decidir se você merece ser dada ou não!

sexta-feira, 13 de maio de 2011

As delícias de se ter um namorado


Todos que me conhecem sabem o quanto amo namorar. E assumo isso mesmo! Odeio ser sozinho, odeio não ter a quem me dedicar, odeio não dividir uma vida com alguém.
As baladas, sexo casual, não dar satisfação para ninguém, e todos os outros prazeres da vida de solteiro nunca encheram os meus olhos.
Prefiro um filminho agarrado com o namorado no sábado a noite do que rebolar numa pista de dança; Prefiro o sexo intimo e com sentimento com aquele que divide uma vida comigo, do que o sexo novo com estranhos; Prefiro dar satisfações de tudo que faço para aquele que digo amar, do que não ter a quem se dar.
Por tudo isso quase que sempre emendo um namoro no outro. Geralmente termino uma relação e já começo outra.
Isso gera criticas de alguns amigos que dizem que preciso curtir mais a minha companhia, aproveitar mais a vida e etc e tal.
Eles só não sabem que curto a vida deste jeito, e que o Paulo sem namorado, é um Paulo sem ânimo e sem graça.
Sei que tem gente que acha triste quem não consegue ser feliz sozinho. Quem deposita sua felicidade nas mãos de outra pessoa. Para mim essas pessoas na verdade são muito frustradas por não terem ainda encontrado alguém que valesse a pena e se saem sempre com essa desculpa, que um olhar mais atento logo desmascara.

Então, a minha resposta para quem pensa assim é mostrar a minha felicidade ao lado de alguém. É mostrar que apesar de tudo tem como ser feliz com uma pessoa.
Ou existe algo melhor do que pegar um cineminha com o namorado? Beijos e caricias entre uma cena e outra...
Ah e como é gostoso comemorar os aniversários de namoro, dia dos namorados, natais, reveillons...As datas comemorativas ganham mais sentido quando estamos namorando.
Nossa, é muito bom olhar uma coisa na rua e lembrar dele, comprar, e depois ver sua cara de felicidade.
Só quem tem namorado curte os domingos a noite, sabe o que é dormir de conchinha, ouve um boa noite seguido de um "eu te amo" antes de dormir, mensagens apaixonadas pelo celular, beijos roubados, surpresas, cheiro no sovaco, risadas sem fim, companhia nos momentos de dor e alegria, abraço apertado, viagens românticas, sorvete no fim de tarde, música, fotos, lembranças, apenas estar junto fazendo tudo ou não fazendo nada, porque se for com alguém que amamos, sempre será especial!
Enfim, namorar ainda é a melhor opção para quem quer ser realmente FELIZ!

domingo, 1 de maio de 2011

A pessoa errada, é a pessoa certa?


Já faz um certo tempo que eu conversando com um amigo, disse que estava na dúvida se continuaria a relação que estava levando ou não, visto que e a pessoa pela qual eu estava envolvido era bem diferente de mim, e estava muito longe do tipo de pessoa que eu queria para a minha vida. Mas mesmo assim ele mexia comigo, e eu gostava dele.
Então perguntei para meu amigo: Ele é errado para mim, mas eu o amo. O que fazer nessa situação?
Ele me respondeu: Muitas vezes a pessoa errada, é a pessoa certa!

Caraca, não esperava por essa resposta. E confesso que isso me fez pensar a respeito.
Eu já tinha me envolvido antes com a pessoa certa e o relacionamento deu errado.
Será que neste momento eu não estaria precisando da pessoa errada para o relacionamento da certo?
O fato é que tive a pessoa certa nas mãos e não aproveitei, não foi proveitoso.
Talvez o certo seja chato e monótono. E o errado gostoso e vulcânico.

Será que isto é do ser humano que nunca está satisfeito com o que tem e vive na sua eterna busca por algo que nunca encontra?
Ou será que a pessoa certa é sempre aquela que deixamos passar, e a errada é sempre a que está ao nosso lado? Ou vice-versa?
Quando alguém souber as respostas por favor me avisem, porque neste assunto só sei que nada sei.

E por até hoje não sabe distinguir pessoas erradas das certas, quebrei muito a cara nos relacionamentos.
Terminei relacionamentos certos para me envolver com os errados; Terminei relacionamentos errados para me envolver em relacionamentos que os julgava certos, até descobrir que para aquele momento eles eram muito errados.

O que fazer por exemplo se você troca um parceiro errado pelo certo e ainda sente saudades do seu passado conturbado?
Este novo parceiro que é tudo que você imaginou, que te trata como você gostaria de ser tratado, que fala as coisas certas na hora certa, que faz o que ninguém nunca fez por você, não é capaz de te fazer esquecer aquele que te deixava inseguro o tempo todo, que te destratava, que não te dava tal valor. O que fazer nesta situação?
O primeiro parceiro que é certo se tornou errado para o que você procura hoje em dia?
O segundo que é errado se tornou certo pelo simples fato de ser quem você ama?
Quem os julga certos ou errados? Você? A sociedade? Suas convicções? Suas vontades?

Carrie Bradshaw encontrou em Aidan o parceiro perfeito, mas que não era capaz de fazê-la esquecer o errado Big.
Resultado: O tempo passou, Carrie e Aidan terminaram, e Big voltou para Carrie.

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Amar dói


O grande Arnaldo Jabor escreveu um texto excelente sobre relacionamentos. No qual falava sobre todo o processo de uma relação amorosa. O começo, a dificuldade de encontrar o parceiro ideal, a química sexual, e por que não as dores de amor?
E por falar em dores de amor, Arnaldo termina o texto com a seguinte pergunta: Quem disse que seria fácil?

Realmente amar não é fácil. Já falei em outros posts sobre as dificuldades e dores que o amor traz. O que mesmo assim não me faz desacreditar nele. Ainda acho que vale a pena se envolver e se entregar apesar de tudo.
Porque como diz Djavan: "Quem não tem para quem se dar, o dia é igual a noite!"
Não quero isso para mim. Não quero viver a mercê de amigos, e nem preferir a calmaria da solidão, do que a montanha russa de um relacionamento amoroso. Prefiro a adrenalina do sobe e desce da montanha, do que segurança e chatice do carrossel.

Certas pessoas nos fazem perceber que vale a pena passar por sofrimentos para crescermos como pessoa, como casal, como se humano. Então por que deixarmos tudo isso passar pelo simples medo de sofrer?
O sofrimento faz parte da vida, e vez ou outra iremos nos deparar com ele. E se tivermos alguém do nosso lado, acredite. Ele não é páreo!

Escrevo este texto com os olhos vermelhos e inchados de tanto chorar, por ter na noite de ontem terminado meu último relacionamento.
Se estou sofrendo pelo fim? SIM
Se estou me perguntando aonde erramos? SIM
Se estou com medo de me envolver novamente e sofrer? NÃO!!!
Como eu disse antes, eu ainda acredito no amor. Acredito que pode não ter dado certo com esta pessoa, mas pode da certo com outra.
Acredito que existe "alguém" aí que foi preparado para mim. E que vamos ter dificuldades é claro, mas que a cada desentendimento iremos perceber que ainda vale a pena.
Também não acho que essa ultima relação não deu certo. Não penso assim, não sinto assim, não vejo assim.
Afinal de contas deu certo por quase um ano!

Ontem quando o levava em sua casa depois do termino, nós íamos conversando pela grande rua escura e vazia da noite de domingo. Falávamos sobre nossas vidas juntos, separados; Nossos medos; De como tudo iria ficar agora. E caiu a ficha de que nunca mais faríamos aquele percurso juntos, de que ele provavelmente não terminaria de ver Anita, e nem começaria a ver The O.C.
E ele que era o que mais queria me ver de aparelho de dente, não me veria assim. Doeu!

Quando chegamos em sua rua, dissemos um tchau simples, meio seco, meio choroso, meio errado.
E então ele foi, e eu literalmente segui o outro rumo.
Resolvi olhar para trás como sempre olhei todas as noites que o deixava naquele mesmo lugar durante nosso namoro. E sempre que olhava percebia que ele nunca me olhava, sempre entrava na rua e eu ia embora.
Dessa vez, foi diferente. Quando olhei para trás, ele olhou também. (pela primeira e ultima vez).
Baixamos o olhar. Eu chorava e provavelmente ele também, e assim seguimos nossos caminhos diferentes.
Meu coração estava dilacerado, as lágrimas não paravam de escorrer sobre meu rosto, e eu temia em soluçar, mas mesmo assim segui meu caminho. E em nenhum momento desacreditando no AMOR!

domingo, 24 de abril de 2011

De repente é amor!


Existe uma comunidade no orkut chamada: "Já ama?". É uma forma de ironizar as pessoas que começam rápido um relacionamento e o vivem com bastante intensidade.
Seria isso uma maneira imatura de se relacionar ou apenas a forma de pessoas extremamente passionais demonstrarem seus sentimentos?
Ah e outra, esses sentimentos seriam realmente verdadeiros?
O fato é que quando vemos alguém que em pouco tempo começou a namorar e logo começa a chamar o parceiro de amor pra cá, amor pra lá, manda SMS apaixonados a todo instante e diz eu te amo, julgamos essa pessoa como imatura, amor de adolescente, e acabamos não dando muito credito a esta relação que parece crescer sem bases sólidas.

Não seria a base de um relacionamento a intimidade que se cria com o tempo, e que com ela vem o respeito, a dedicação, o amor?
Como acreditar então em uma relação que começa sem intimidade, na qual a intimidade vai surgindo no decorrer do relacionamento?
Temos a ideia de que devemos namorar alguém que nos conquistou com o tempo e nos fez pensar em começar um namoro, e não alguém que vamos descobrindo quem é ao longo da relação.
Mas isso também me faz pensar que nunca se pode conhecer um ser humano por completo, nem nós mesmos nos conhecemos por inteiro. E tenho certeza que a cada dia nos deparamos com o novo Paulo, André, Fábio, Sérgio, Henrique... que descobrimos em nós mesmos.
Seria então o ideal esperar conhecer alguém que na verdade nunca conheceremos de fato para começar um namoro?

O preconceito nos faz pensar que relações que começam rápido terminam rápido. Pois acabam atropelando as coisas que acabam não acontecendo de maneira natural. E com isso só sobra o fim.
Mas o que acontece quando saímos da platéia e nos vemos no palco da passionalidade?
Ah o cupido não teve dó! Foi certeiro! E isso te faz rever todos os seu conceitos? Te faz entender que amor a primeira vista pode acontecer? Te faz acreditar em relações como a de Jack e Rosie, ou isso é apenas coisas para filmes, novelas e seriados?

Quando alguém que nunca acreditou nisso, e que de certa forma até criticava, vive tal situação, é momento de ser olhar e de não acreditar no que está acontecendo com si mesmo. Sabe por que? Por que você não se conhecia por completo, então porque cobrar do outro tal coisa?

Então, quer saber de uma coisa? Se isso acontecer com você não ligue para as vozes da inveja e do preconceito. Se joguem, ousem, arrisquem!
Se isso te faz feliz porque deixar passar?
Se é efêmero ou não? Ninguém sabe, mas vale a pena tentar, e ser feliz nem que seja por um pequeno espaço de tempo.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Ah esses sentimentos confusos!


Se você já amou alguém que depois de um tempo achou que não amava mais e resolveu terminar, mas depois do término percebeu que amava mais do que nunca. Ou então que já se envolveu com mais de uma pessoa ao mesmo tempo, tendo sentimentos diferentes por ambas. Seja bem vindo ao clube dos que já tiveram seus sentimentos confusos!

Quantas e quantas vezes já me vi na situação de confusão de sentimentos. Sem saber que atitude tomar, sem saber o que realmente estou sentindo, sem simplesmente saber de nada!

Nessa desatinada estrada de confusões, já me envolvi com mais de uma pessoa ao mesmo tempo. Por favor, não me apelidem de "
Bruna Surfistinha", mas já cheguei a me envolver até com três pessoas ao mesmo tempo e sentindo sentimentos totalmente diferentes por cada uma.
Sempre que conto essa historia para as pessoas, ouço coisas do tipo:
Safado ?... Muito puto você!...
Apenas uma colega me disse:
Caraca, que carente você! Porque para alguém se envolver com três pessoas tem que ter um grau de carência muito grande.
Foi aí que me toquei que meus sentimentos confusos não vinham da safadeza de ter vários homens, mas da eterna carência que me nutria (Crianças, por favor não repitam isso em casa)

O que fazer quando você gosta da pessoa que namora mas já não sente as famosas "borboletas no estômago", e com isso acaba aparecendo um outro alguém que te tira do eixo e balança as tuas estruturas?
É chegada a hora de terminar seu namoro frio, porém certo e seguro por um novo romance que te fascina, mas que talvez não passe de
empolgação?

Eu com todos os meus famosos medos sempre espero a coisa ir acontecendo....
O que alguns de meus amigos consideram um erro. Pois acham que deixar a coisa ir acontecendo, é simplesmente adiar um sofrimento que já é inevitável.

É tão fácil ir ao
supermercado e escolher entre chocolate amargo ou ao leito, coca-cola comum ou diet, azeitonas com ou sem caroço.
Mas na vida é muito difícil escolher entre duas pessoas que te despertam sentimentos e sensações diferentes.

Até um tempo atrás você acreditava que amava o primeiro e idealizava um futuro com ele. Mas depois que o segundo apareceu, você deixou esse futuro em segundo plano e só pensa no presente com o segundo.
O primeiro te dar segurança, o segundo te dar paixão. O primeiro te mostra tudo o que vocês viveram, o segundo te mostra tudo o que vocês podem viver. O primeiro esteve com você nos seus momentos mais tristes, o segundo faz hoje teus momentos mais felizes.

Como tomar uma decisão quando você não sabe que decisão tomar? Não seria mais inteligente não tomar decisão nenhuma?
Quem garante que não amo mais meu
atual namorado? Quem garante que esta nova pessoa me ama? Quem garante que daremos certo se tentarmos um namoro? Quem garante que meus sentimentos confusos desapareceram com uma simples decisão? Quem garante? Quem garante? Quem garante...

Um amigo respondeu:
"No amor não existem garantias de nada. Amar é arriscar, é dar um tiro no escuro!"

E eu acrescento: É dar um tiro no escuro para matar um piolho (Que difícil!).

domingo, 3 de abril de 2011

Os Desprazeres do sexo


Em um bate papo entre amigos, tem um assunto que sempre é presente e ganha grande repercussão: Sexo!
Nós discutimos tudo. O melhor sexo, o pior, posições, lugares, e porque não os desprazeres do mesmo?!
Isso mesmo! Nem tudo que vem do sexo é prazeroso.
Nos últimos dias tenho conversado bastante com amigos a respeito desse tema. E me vi quase que forçado a falar disso aqui no coloridonet.

Um amigo dizia que para ele não existe nada pior do que o "egoísta sexual". Aquele cara que só pensa no prazer dele e em mais nada.
Contou que uma vez transou com um carinha que gostava de dar ordens na hora, e que só se preocupava com seu próprio tesão.
Apesar do cara ser muito bonito, meu amigo conseguiu parar tudo durante ato e dizer tchau.
Um outro amigo me dizia que certa vez foi para um motel com um carinha que assim que chegaram o cara o colocou para fazer sexo oral, depois o virou, deu algumas estocadas e gozou. Pronto!
O cara colocou as calças, se despediu e saiu. Simples assim!
Meu amigo ficou rindo para não chorar. Ele não acreditava que aquilo era real. Acredite, caro amigo, esses babacas existem e estão por aí!

Um tipo de parceiro sexual que eu abomino são os tipos parasitas. Eles não fazem nada. Simplesmente nada!
Meu prazer vem do prazer do outro. Por tanto fazer sexo com alguém que simplesmente vira a bunda para cima e espera ser penetrado é broxante.
Não é porque o cara é passivo que tem que ser quase que uma coisa morta na cama.
Gosto de beijos fortes, pegadas, palavras, sussurros....Tudo isso aumenta a vontade de penetrar ou ser penetrado.
Transar com alguém que não tem atitude na cama, é quase como se masturbar. Só que no lugar das mãos você está usando uma pessoa. Sem graça!

São inúmeros os outros desprazeres do sexo: mau hálito, odores fortes, sujeira, pêlos em excesso, performance meia boca e bla bla bla...Mas o mais temido entre as bees, é sem sombra de dúvidas o famoso cheque!
Todo gay passivo já se preocupou ou se preocupa com isso.
É muito constrangedor para o passivo quando isso acontece. O cheiro parece tomar conta do local e o tesão nessa hora vai para as "cucuias".

E por falar em sexo que vai para as "cucuias" isso logo me vem a cabeça a não menos temida impotência.
Quando eu era mais novo ficava imaginando como isso podia existir? Como um cara "conseguia" ficar de pênis mole mesmo estando com tesão?
Hoje em dia entendo perfeitamente que isso é possível.
Vários são os fatores que ajudam isso acontecer. E o principal deles é sem sombra de dúvidas o nervosismo. Que surge quando você se cobra uma performance perfeita para aquele carinha que é um gato, ou para seu namorado que quer que o sexo seja especial.
A cobrança te deixa nervoso e o nervosismo te faz broxar.
Os psicólogos dizem que o ideal é esquecer isso e simplesmente curtir o sexo. Mas como controlar a velocidade do pensamento? Alguém me ensina?

Ejaculação precoce! Taí algo que eu acho difícil de controlar. Mas não sofro dela.
Tenho um amigo que se odeia por ejacular rápido. Ele diz que não tem problema de impotência, mas que queria que o sexo durasse mais se o problema não fosse ele gozar tão rápido.
E então eu dei a sugestão para ele: "Por que você não goza e continua transando, já que mesmo depois de gozar você continua com o bicho duro?"
Meu amigo então percebeu que a festa só acabava cedo, porque ele não era esperto o suficiente para se tocar que "enquanto tem música, ainda da para dançar."

Falando em ejaculação lembrei daqueles caras que simplesmente possuem dificuldades de gozar durante o sexo. Sei la...Se sentem muitas vezes obrigados a tal coisa e acabam não conseguindo.
Recentemente o assunto foi discutido no programa "Amor e Sexo".
A pergunta era: Você acha que se um cara não gozar ele gostou do sexo?
A resposta do ator a quem a pergunta foi destinada, afirmou que não é porque o cara não gozou que ele não curtiu a transa. Gozar não é uma obrigação.
E nesta hora uma senhora da plateia levantou e disse: Se lá em casa meu marido não chegar nos finalmente, vai ter confusão. É sinal de que a coisa não foi tão boa assim.
Realmente é fácil concordar com a tal senhora. Sabemos que gozar é o ápice do prazer. Portanto se um cara não goza durante o sexo, passa a impressão que gostou, mas nem tanto assim.

Agora falando fracamente, mesmo a gente sabendo de todos esses desprazes que podem vir junto com o sexo, nada nos impede de praticarmos cada vez mais.
Afinal de contas o que é tudo isso perto do imenso prazer que é gozar no final.

sábado, 19 de março de 2011

Amantes


Alguém já disse certa vez, que trair dá trabalho.
E é a mais pura verdade. Só quem já passou por isso sabe o quão difícil é inventar mentiras a todo instante, apagar mensagens no celular, ficar preocupado se o outro deixou algum recado no orkut e etc.
E a coisa é ainda pior quando se tem um namorado controlador e que não confia em você.
Pois ele vai querer investigar, e como sempre quem procura acha.

Muitos são os fatores que podem fazer alguém pular a cerca e acabar se envolvendo sentimentalmente com outra pessoa.
Existem pessoas que simplesmente não conseguem ter uma relação monogâmica. Faz parte da natureza delas sempre ter casinhos por aí.
Conheço gente que namora, tem o namorado que sempre quis, diz que o ama mesmo assim não consegue ser fiel.
Esse tipo de pessoa pode no fundo gostar de saber que existem varias pessoas ao redor dela desejando-a. Ou até mesmo deve ser um grande um carente. Acreditem! Muita gente trai por carência.
Muitas pessoas não conseguem ficar apenas com uma porque acabam depositando todas as suas expectativas em cima deste alguém. E como ninguém é perfeito é frustração na certa.
Quando se tem mais de um, acaba não depositando tantas coisas na pessoa e curtindo assim mais a relação.

Confesso que ao longo da minha vida me envolvi com pessoas fora do relacionamento que tinha, por pura carência.
Na primeira vez que isso aconteceu, eu tinha um namorado que não me dava tal valor e mesmo assim eu não conseguia terminar com ele.
E estando sentimentalmente frágil e vulnerável acabei conhecendo um carinha que me fez perceber que eu ainda era capaz de encantar alguém. E me mostrou que eu era especial, sim!
Eu ainda amava meu namorado, mas era difícil não me deixar seduzir por uma pessoa que me mostrava que eu era digno de ser feliz, enquanto aquele que eu amava tão pouco se importava com isso.
E desse jeito fui me permitindo ir ficando com esse que me fazia bem. E o tempo foi passando, passando, passando....BOOM! Estávamos há quase um ano juntos e ele me colocava contra a parede, queria uma decisão!
E como eu não tinha coragem de tomar decisão nenhuma, ele tomou a dele. Foi embora!

O ano que passamos juntos foi um ano meio complicado. Tinha que ir ao cinema duas vezes assistir o mesmo filme, morria de medo do amante ligar na hora que eu estava com namorado, inventava viagens, gastava muito dinheiro com dia dos namorados, natal, aniversários....
Quem já viu o filme " Infidelidade" sabe do que to falando (risos).

O fato é que ter um amante dá trabalho, e diferente do que muita gente pensa que com o parceiro fixo é amor e com o amante é apenas sexo, a coisa não é bem assim.
Existem pessoas que possuem sentimento pelo amante, além do desejo e do tesão.
Ele pode amar o namorado, mas também pode ser apaixonado pelo amante e quem sabe até ama-lo também de maneira diferente.

Já li uma matéria onde as pessoas davam depoimentos sobre o fato de terem amantes. Diziam que amavam seus parceiros, mas que também tinham um sentimento enorme pelo amante.
Ficava difícil escolher entre um ou outro.
Levando em consideração que não encontramos em um único parceiro tudo aquilo que procuramos, algumas pessoas buscam em outros parceiros aquilo que falta no parceiro fixo delas. Assim somando e chegando a conclusão que juntos formam o namorado perfeito!
Li na mesma matéria que ter um caso fora da relação ate ajudou a pessoa a perceber o quanto amava seu namorado, e dessa maneira salvou seu relacionamento.
Então sendo assim, uma salva de palmas para os amantes que salvam as relaçãos monótonas! (risos)

sexta-feira, 11 de março de 2011

A arte da reconquista



Alguém já disse certa vez, que o verdadeiro homem não é aquele que conquista várias pessoas. Mas sim aquele, que conquista várias vezes a mesma pessoa!

Isso me faz pensar que a arte da reconquista é ainda muito mais difícil do que a própria conquista.

Quando conquistamos alguém, muitas vezes nos vestimos de um personagem que não existe.
Uma boa roupa, sorrisos sedutores, olhares convidativos, palavras de duplo sentido, meias palavras falsas...E pronto! Você pode ter conquistado alguém!

Não parece tão difícil assim. Alguém acabou de comprar "gato por lebre". Alguém comprou um produto que não existe: O personagem criado por você!

O tempo vai passando e aos poucos você vai mostrando quem realmente é (fica difícil segurar a mascara por 24 horas)
Quem nunca ou viu aquela frase: "Mas ele era tão diferente no inicio"?
Na verdade ele nunca foi diferente, ele sempre foi assim. Apenas usou de armadilhas para conquistar você!

O fato é que muitas vezes, mesmo a pessoa nos mostrando que ela realmente é, não conseguimos abandona-la. Porque simplesmente já estamos envolvidos o suficiente para aceita-la do jeito que é.
E ainda guardamos na memória a pessoa que um dia ele "foi".
Não sendo surpresa se idealizarmos a ideia de que um dia ele possa voltar a ser o que foi.
Voltar a ser o que nunca foi? Aff. Êta coração apaixonado que nos deixa besta!

Mas nem todos se permitem continuar dentro de uma relação onde o parceiro pelo qual se apaixonaram simplesmente sumiu, dando lugar a um outro ser que em nada agrada.
E assim, chega o término. E com ele talvez a arte da reconquista, que é ainda bem mais difícil.

Reconquistar aquele que um dia nos amou ou talvez ainda ame, é muito mais difícil do que simplesmente conquistar alguém que ainda não nos conhece.
Como disse antes, na arte da conquista você pode inventar ser quem não é, e sair vencedor.
Na reconquista esse truque não funciona. O parceiro já sabe quem você é, e dependendo do que você possa fazer ou dizer, ele simplesmente demonstre que não tem interesse.

Eu já passei por isso. Já tentei reconquistar aquele que tanto amava e que um dia me amou muito.
Tentei usar os meus truques do inicio da relação. Tentei não usar truque nenhum. Tentei ser eu mesmo, tentei ser um personagem, tentei, tentei, tentei.... Desisti!!

Depois de anos de decepções meu parceiro não tinha mais interesse em acreditar no novo Paulo que eu dizia ter me transformado. Na vida feliz que eu prometia ter com ele. Aliás quantas vezes nós já tínhamos terminado antes e eu prometi a mesma coisa? Inúmeras!

Cheguei a pesquisar na internet maneiras de reconquista-lo.
Várias dicas: Não force a barra; Não se faça de coitado (ninguém ama algo digno de pena); Não fique muito em cima, deixa ele sentir saudades, mas também não desapareça, e etc tal.
Sinceramente não tive paciência para seguir todas essas dicas. Na verdade cheguei a conclusão que se as seguisse estaria sendo novamente quem nunca fui, um personagem criado.
Só que dessa vez usado para reconquistar. Por quanto tempo esse personagem viveria??
Eu não queria pagar para ver.

Uma vez conversando com um amigo hetero, que me dizia insistir incansavelmente em conquistar uma garota que parecia não estar muito afim.
Eu o aconselhei que talvez fosse melhor ele desistir, pois já tinha feito de tudo e nada tinha dado certo.
Ele me respondeu que em 1000 tentativas de conquista, existe uma que vai dá certo.
E que ele ainda não tinha usado todas as suas tentativas. Por tanto continuaria tentando até conseguir!

Não tenho a persistência deste meu amigo. E nem a coragem de um outro que chegou a ir no local de trabalho do ex, levando um cartaz escrito: "Eu preciso dizer que te amo, te ganhar ou perder sem engano!" na esperança de fazê-lo voltar.
O ex não voltou, mas meu amigo disse que valeu a pena por ter tentado.

Uma das maiores dores é querer de volta alguém que não nos quer mais.
Você se pergunta para onde foi tanto amor?
Tenta de todas as formas reconquista-lo.
Só não se pergunta se quando vocês estavam juntos, você dava tal valor para ele.
Muitas pessoas cometem o grande erro de acreditarem que depois de terem conquistado o ser amado é hora de se acomodar. Mero engano!
O ser humano precisa de motivação. E motivação no relacionamento é ser reconquistado diariamente.
Todos os dias pequenas coisas podem fazer muito por uma relação.
Surpresas românticas, presentinhos sem motivo, beijos roubados, carinho em demasia...Tudo serve para que um dia você não precise reconquistar quem não te quer mais.

Como diz a Pitty:
"Não espere eu ir embora pra perceber
Que você me adora
Que me acha foda"


domingo, 20 de fevereiro de 2011

Ele "UP". Eu "UNDER"



Quando terminamos uma relação, e cada um vai para o seu lado, é inevitável não pensarmos em como anda a vida do nosso antigo parceiro.
Será que ele já concluiu o curso que estava fazendo? Será que já entrou na auto-escola como planejava? E aquela viagem que tinha em mente, será que já a realizou?

Por mais que não exista mais o amor carnal, ainda existe a curiosidade de saber como anda a vida daquele que durante um certo tempo tanta influencia tinha na sua própria vida.

E nesta curiosidade de saber como a vida do outro está, é cômodo para nós se descobrimos que ela continua na mesma. Sem mudanças muito radicais.
Isso nos passa a sensação de que sem o relacionamento que antes tinha, a vida dele continua parada.
Nos fazendo assim sentir o gostinho de ser especial.

Mas o que fazer quando você descobre que depois que terminaram, a vida do cara deu um BOOM total e ele só progrediu?
É impossível não sentir neste momento um pitada de inveja. E se sentir não tão especial assim.
Isso nos passa a sensação que eram nós que fazíamos a vida dele ficar estagnada, parada, sem sucesso!

Namorei durante muitos anos um carinha que praticamente veio do nada. Ele morava em uma cidadezinha afastada do centro da Grande Belém, era um simples estudante, não tinha dinheiro para suas muitas ambições e eu sempre fui o que mais tinha dinheiro da relação e inclusive cheguei a pagar muitas coisas para ele.
E foi desse jeito durante todos os anos que estivemos juntos. Até o relacionamento chegar ao fim e o cara começar a trabalhar, virar gerente da empresa em que trabalha, se mudar para o centro da cidade e de repente viajar para Buenos Aires para ele era como ir aqui em Castanhal.
O menininho que não gostava muito de balada e seu programa preferido era pegar um cinema no fim de semana, virou um baladeiro de primeira e agora realiza todas os seus sonhos que antes ambicionava.

Devo ficar feliz pelo seu sucesso já que ele sempre foi merecedor disso tudo ou com inveja por ele ter crescido na vida e eu não?
Nenhuma das alternativas!!

Não vou ser hipócrita em falar que não me senti um pouco estagnado na vida quando vi a vida daquele que passou anos do meu lado mudar radicalmente para melhor. Mas também não vou afirmar que senti inveja dele.
Realmente o garoto é esforçado e merece tudo isso, mas não é fácil para você como ser humano perceber que as pessoas ao seu lado progridem e você permanece como sempre esteve, no mesmo lugar!

Mas aí pensei: Devo culpa-lo por seu sucesso, ou me culpar por meu fracasso?
Era a hora de arregaçar as mangas e correr atrás dos meus objetivos!